Existe investimento errado? Aos poucos, os brasileiros têm descoberto mais e mais sobre a necessidade de investir, tanto para ter uma reserva de emergência quanto para ajudar a realizar sonhos e objetivos futuros como viajar ou ter uma previdência privada. 

Esse interesse tem gerado diversas dúvidas sobre o tema, afinal, a educação financeira ainda não é ensinada na maioria das escolas do Brasil e isso faz com que tenhamos que buscar conhecimento de outras formas.

Agora, tem como render dinheiro do jeito certo? Como saber que o seu investimento está dando certo e que você não caiu em golpes ou foi enganado? 

Pensando em tudo isso, resolvemos trazer algumas situações com os principais erros cometidos por novos investidores, mas que ainda não entendem muito bem do assunto. Vamos lá?

6 situações em que você está investindo errado (e não sabe).

1. Você deixa seu dinheiro parado na poupança ou na conta corrente

Pois é, este ainda é um erro muito cometido por boa parte dos novos investidores. É muito comum ouvirmos desde pequenos: você precisa guardar dinheiro em uma poupança, vai render alguma coisinha. Você já ouviu isso? 

Embora a poupança seja uma das formas favoritas da população brasileira para guardar dinheiro, ela não é exatamente a melhor devido ao rendimento. Tanto é que nós não consideramos a poupança um tipo de investimento em si (sim, isso é verdade). 

Deixar o seu dinheiro parado na poupança quando você pode investir em um CDB com renda pós fixada, é definitivamente considerado perder dinheiro. 

Hoje (2021), a Selic está em 7,75% ao ano, isso significa que o rendimento da poupança passa a ser de 0,44% ao mês. Se você tiver R$ 200,00 parados na sua poupança, em um período de um mês, o rendimento será de R$ 0,88. Entende? Além da rentabilidade ser baixa, não acompanha a inflação, e isso sim, faz com que você literalmente perca dinheiro.

Isso também é válido para a conta corrente, visto que a maioria delas não rende absolutamente nada! As contas digitais de alguns bancos oferecem um rendimento mínimo para o dinheiro da sua CC, mas, na maioria das vezes, é inferior à poupança! Isso significa dinheiro parado.

2. Você não segue o seu perfil de investidor 

É um erro muito comum dos novos investidores não realizar o teste de Suitability disponível no banco e, consequentemente, não entender o seu perfil de investidor. 

Saber o seu perfil de investidor é fundamental para ter maior assertividade na hora de investir. Isso porque cada perfil possui um tipo de investimento adequado e alinhado aos valores disponíveis para investimento bem como aos riscos que o investidor está disposto a correr em busca de maior rentabilidade. 

O seu perfil de investidor também está diretamente relacionado ao seu momento de vida, tanto é que ele pode mudar com o passar do tempo. Existem pessoas que estão no momento de investir para construir uma previdência privada, outros que querem investir para comprar uma casa, viajar, trocar de carro ou construir uma reserva de emergência. Esses objetivos mudam com os anos e os tipos de investimentos para cada objetivo também!

Saber o seu perfil de investidor e os melhores investimentos para esse perfil, irá te ajudar a não cair em ciladas quando alguém te oferecer um investimento que não está de acordo com o que você precisa agora. 

Se você ainda não conhece o seu perfil de investidor, no aplicativo do Sofisa Direto você pode fazer o teste gratuitamente e descobrir qual é o seu perfil!

3. Você não tem um objetivo definido para o seu investimento

Muitos de nós começamos a investir simplesmente por querer ver o dinheiro render, embora não exista nada de errado com isso, é uma forma de não aproveitar da melhor forma possível o seu investimento. 

Isso porque quando você investe dinheiro com um objetivo definido, fica mais fácil de escolher o tipo de investimento com maior assertividade conforme a rentabilidade necessária para o período que você precisa.. 

Exemplo: se você quer comprar um celular novo, você, com certeza, precisará investir por menos tempo (e menos dinheiro) do que se o seu objetivo for comprar uma casa nova. Concorda? 

Este definitivamente é um dos "segredos" para investir com mais assertividade!

Leia também:

4. Você não diversifica a sua carteira

Esse é um erro extremamente comum entre os investidores: não diversificar a carteira de investimentos. E isso não é válido só para a renda fixa, mas para a renda variável também! 

Por que esse é um erro tão grande? Por que todos os tipos de investimentos possuem riscos. Podem ser mínimos, mas existem. Ao diversificar a sua carteira, você não fica refém dos riscos e nem de ter uma alta improvável ou inesperada do indexador que rege o seu investimento. 

Ao investir em mais de um ativo, você não só minimiza o risco de perda, como também aumenta as chances de ter mais rentabilidade (principalmente a médio e longo prazo, devido às oscilações do mercado).

Uma outra forma de pensar que faz com que muita gente deixe de diversificar a carteira é: ao analisar os últimos 24 meses de rendimento deste ativo e verificar que todos foram positivos, opta por investir apenas neste ativo. Está errado investir somente nele? Não! Mas tem uma coisa importante: rendimento passado não é garantia de rendimento futuro.

Como já falamos, o mercado muda o tempo todo e você não pode ficar refém de um único investimento. 

5. Você não considera o IOF e o IR na hora de resgatar os seus investimentos

Levar em consideração o desconto do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e do IR (Imposto de Renda) é fundamental, principalmente em investimentos de curto prazo. 

Os rendimentos de investimentos como Renda Fixa, Fundos Multimercados, Fundos Cambiais, CDBs, LCIs e LHs, possuem tabela de desconto regressiva quando falamos em IOF. Essa tabela funciona pelo período de 30 dias, ou seja, quanto menos tempo o seu dinheiro ficar investido, maior será o desconto na fonte. 

Logo, quanto maior o tempo que o seu dinheiro ficar investido, menor será o valor do desconto. Vale destacar que após 30 dias da data em que você aplicou o valor, o seu investimento já estará isento do IOF. 

Já para o IR, o desconto depende do tipo de investimento, do tempo de aplicação e da rentabilidade do investimento.

6. Você só investe em curto prazo

É comum buscar investimentos em curto prazo e liquidez diária, principalmente quando você está montando a sua reserva de emergência, todavia, investir apenas em curto prazo não é a melhor escolha a se fazer.

Primeiro porque os juros compostos estão no mercado e podem te ajudar (e muito) a rentabilizar mais o seu dinheiro, na prática (levando em consideração os juros compostos), quanto mais tempo o seu dinheiro fica investido, maior será a rentabilidade dele.

E, segundo, porque pensando a longo prazo, o custo de vida será diferente daqui a alguns anos. Tudo muda o tempo todo e, ao investir no longo prazo, você terá mais segurança ao saber que independente do que acontecer, você tem um valor assegurado. 

E aí, conseguiu identificar se você está cometendo algum desses erros? Se sim, não se preocupe, basta mudar a sua estratégia e seguir em frente! O importante é não cometer os mesmos erros novamente. Combinado?

Lembre-se sempre que no aplicativo do Sofisa Direto, você tem todo o auxílio e informações necessárias para te ajudar a investir de forma mais assertiva! 

Ah, uma outra coisa: se você quiser aprender mais sobre finanças (de um jeito diferente), não se esqueça de conferir o artigo que fizemos: Confira os 5 melhores livros sobre investimentos para ler!

Se você ficou com alguma dúvida, não deixe de mandar para a gente nos comentários. Até a próxima!

Tudo sobre investimento financeiro: 4 maiores curiosidades

COMENTÁRIOS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Você pode cancelar o recebimento a qualquer momento, clicando apenas no link "cancelar inscrição" nesses e-mails ou entrando em contato conosco. Clique aqui para acessar nossa política de privacidade.