Você já notou que existem algumas pessoas que, não importa quanto ganhem todos os meses, estão sempre com dívidas e dificuldades financeiras? Isso acontece porque elas não dominam as virtudes econômicas essenciais para lidar com o dinheiro.

Mas isso não significa que estão destinadas a viver sempre com dívidas e problemas econômicos. É possível aprender a incorporar essas virtudes no dia a dia e lidar melhor com a sua vida financeira.

No artigo de hoje, veremos que características são essas e como você também pode conquistá-las. Por isso, continue lendo!

O que são as virtudes econômicas e como elas afetam nossa vida?

Existem certas características que fazem com que sejamos mais propensos às dívidas. Segundo um estudo publicado pela PUC-RS, traços de personalidade como a ansiedade ou a insatisfação com a própria aparência estimulam o comportamento compulsivo em relação às compras, o que gera débitos e inadimplência financeira.

Da mesma forma, existem características que trazem o efeito oposto: ajudam a organizar a vida financeira e desestimulam o endividamento. Esses traços de personalidade são chamados de virtudes econômicas.

Quem domina essas características costuma se sair melhor nas finanças e consegue cumprir seus objetivos com mais facilidade, sejam eles relacionados a dívidas ou a investimentos.

Porém, se você pensa que as virtudes são dons inatos e que nunca poderá aprendê-las, está enganado. Vamos conhecer essas características?

Quais são as virtudes econômicas que você deve cultivar?

Abaixo, listamos as cinco virtudes econômicas que vão ajudá-lo a colocar sua vida financeira nos eixos, além de dar dicas de como cultivá-las:

1. Manter-se informado

Da informação nasce o poder. Pessoas bem-informadas conseguem tomar as melhores decisões e evitar situações de endividamento.

Se quiser dominar essa virtude econômica, você precisará estudar sobre finanças e suas particularidades. O nosso blog é um bom ponto de partida para entender melhor sobre investimentos e organização financeira.

Quanto mais conhecimento ao seu dispor, mais fácil será lidar com o seu dinheiro.

2. Compreender o que é valor

Muitas pessoas têm dificuldades com o conceito de “valor” e acabam se complicando em dívidas.

O valor de um produto, bem ou serviço é composto por sua utilidade, durabilidade e competência. O ideal é encontrar o ponto ideal onde esses três aspectos cumprem as suas necessidades particulares.

Ou seja: o fogão mais barato do mercado pode não durar muito (exigindo que você compre outro em breve) ou não ser eficiente (demandando um forno elétrico extra na cozinha, por exemplo). Já o fogão mais caro é capaz de suprir todas as suas necessidades de utilidade, durabilidade e competência, mas a um preço alto demais.

O fogão ideal é aquele que encontra o equilíbrio entre as suas demandas e o menor preço possível.

Para aprender a encontrar o valor de cada produto ou serviço do mercado, você precisa refletir muito sobre as suas próprias necessidades e pesquisar bastante as várias opções disponíveis.

Existem sites que fazem um apanhado de diferentes produtos para comparar preços e características e encontrar aquele item com o melhor custo-benefício.

3. Controlar a procura pela gratificação imediata

Você já teve aquela vontade imensa de comprar o novo celular do momento ou aquele sapato da moda? Depois de levar o produto para casa, você se sente realizado, não é?

Pois essa sensação de gratificação imediata é viciante, e logo estamos procurando por outras oportunidades de senti-la. Seu computador, que ainda funciona muito bem e supre suas necessidades, é trocado; o mesmo acontece com seu carro, celular, guarda-roupa etc. E, no fim, você se afunda em dívidas.

Saber como controlar essa busca pela gratificação imediata é uma das virtudes mais importantes. Com ela, é possível substituir uma satisfação imediata de agora por outra duradoura no futuro.

Em vez de comprar alguma coisa hoje, você pode poupar e quitar as dívidas ou fazer um investimento que trará um ganho maior em 3 ou 4 anos.

4. Ignorar modismos de consumo

A sociedade é sempre tomada por algum modismo de consumo. Às vezes é algo caro, como um carro ou smartphone específico. Outras vezes, é um objeto relativamente barato, como os fidget spinners.

De qualquer maneira, parece que se torna obrigatório que você também faça parte do modismo e compre um desses objetos. Porém, assim que a moda passa, eles se tornam inúteis e se transformam em dinheiro desperdiçado.

Para resistir aos modismos, é necessário exercitar o autocontrole e a força de vontade. Lembre-se de que em breve esses objetos deixarão de ser tão desejados e que você poderá ganhar mais se guardar seu dinheiro.

5. Buscar alternativas gratuitas

Você sabia que pode substituir boa parte das suas atividades pagas por alternativas gratuitas (ou quase) sem perder a qualidade ou satisfação?

O cinema de sexta à noite, por exemplo, cujo ingresso custa aproximadamente R$ 24, pode ser trocado por uma sessão na segunda à tarde por R$ 10 ou mesmo por um mês de Netflix com filmes à vontade em qualquer horário.

São vários os museus com entradas gratuitas pelo Brasil, assim como parques e atividades ao ar livre. Da mesma forma, uma ida ao restaurante pode ser substituída por um jantar em casa com a família, a um custo muito menor.

Com algum esforço e planejamento, você conseguirá encontrar alternativas na sua rotina para tornar mais fácil a criação de um hábito de contenção.

Como conquistar essas virtudes econômicas na sua vida financeira?

Segundo William James, considerado um dos pais da psicologia, nosso cérebro é como uma esponja e pode ser reorganizado constantemente por meio dos hábitos. Para isso, basta força de vontade e repetição.

Um estudo da University College London mostrou que nós precisamos de em média 66 dias de repetição de alguma coisa para transformá-la em hábito e adicioná-la à nossa personalidade. Então você está a apenas dois meses de distância de dominar qualquer uma das virtudes econômicas que viu neste artigo!

Você já conferiu algumas dicas específicas de como aprender cada uma das virtudes citadas, mas lembre-se de que elas se manifestam em hábitos. Isso significa que sua jornada para dominá-las e fugir do acúmulo de dívidas é diária e constante.

Lembre-se de sempre pensar nas virtudes econômicas antes de tomar uma decisão financeira durante o seu dia — seja na hora de escolher onde almoçar ou decidir se compra um novo celular. Aos poucos, essas decisões serão menos “forçadas” e mais naturais.

Agora que você já sabe o que são as virtudes econômicas e está pronto para conquistá-las no seu dia a dia, que tal compartilhar este artigo no Facebook e no Twitter? Aproveite e marque alguém da família ou algum amigo que tope entrar nessa jornada ao seu lado!

Comentários

Assine nossa newsletter