Você já ouviu o ditado “nunca coloque todos os ovos na mesma cesta”? Essa é uma frase  antiga e muito popular. Mas se você está se perguntando o que isso tem a ver com investimento, saiba que esse ditado consegue, em poucas palavras, demonstrar a importância de se ter uma carteira diversificada.

Se você já é um investidor ou está começando, mas não sabe o que a diversificação de carteira representa, a sua importância e como colocar isso em prática, não se preocupe, hoje vamos te explicar como dar o primeiro passo para começar a investir.

Diversificar investimento: o que isso significa?

Caso você não tenha familiaridade com esse termo, não precisa se assustar. A diversificação de carteira nada mais é do que uma estratégia elaborada pelos investidores para distribuir seus investimentos financeiros.

Em resumo: essa tática faz com que você descentralize o valor investido em apenas uma aplicação. Ao invés disso, sua carteira contará com uma variedade de investimentos entre fixos e variáveis. 

O principal objetivo da diversificação é diminuir os riscos que o investidor corre. Levando isso para a prática, vamos supor que você invista em uma aplicação, mas o seu rendimento é negativo. É nessa etapa que entra em ação a frase “nunca coloque todos os ovos na mesma cesta”.

Investindo em mais de uma aplicação, você tem sempre um plano B! Sendo assim, mesmo que a primeira aplicação não tenha sido rentável, você não perde todo o dinheiro, pois tem um segundo investimento. Por fim, o seu dinheiro está sempre trabalhando em diversas aplicações e os riscos diminuem.

Qual a importância de diversificar?

Você já aprendeu que a diversificação de investimentos pode minimizar os riscos. Mas, de fato, qual a importância desse assunto para você que já investe e não tem medo de correr altos riscos? É sobre isso que vamos falar a seguir.

Diversificar a carteira é uma estratégia inteligente para quem está começando e também para quem está há mais tempo no mercado financeiro. 

Além de uma segurança maior, é através da diversificação que você pode achar um equilíbrio de risco e retorno da sua carteira. Isso acontece porque o setor da economia atinge as aplicações de formas distintas, e por meio das taxas de juros você pode aumentar o seu rendimento.

Aprenda a diversificar a sua carteira em 3 passos:

Se você ainda não havia pensado em diversificar a sua carteira, com certeza essas vantagens chamaram sua atenção. Então, chegou a hora de colocar os conhecimentos em prática e começar a diversificar.

1. Descubra o seu perfil de investidor

Para montar a sua carteira de forma mais diversificada, o primeiro passo é descobrir o seu perfil de investidor. Na verdade, essa é a primeira etapa para qualquer pessoa que deseja investir.

É através do perfil de investidor que você passa a entender quais investimentos se adequam mais a você e às suas necessidades. Por meio do seu perfil definido, é possível descobrir quais riscos você está disposto a correr, qual seu objetivo e em quanto tempo você pretende ter o retorno do seu investimento, seja a curto, médio ou longo prazo.

Com essas informações bem definidas, é possível saber quais aplicações se encaixam no seu perfil e escolher de forma mais certeira. A probabilidade de você investir em algo que não condiz com seu objetivo, é muito menor. 

No Sofisa Direto, seu banco de investimento, temos 4 perfis de investidor. 

  • Perfil Conservador: pelo título, você já deve imaginar que esse é um perfil para quem é mais cauteloso. Aqui se encaixam os investidores que não estão dispostos a correr grandes riscos, mesmo que isso signifique ter uma rentabilidade menor.

  • Perfil Moderado: já neste perfil, o investidor está disposto a correr um pouco mais de riscos se isso significar um rendimento maior. Ele não abre mão da segurança, mas está disposto a correr um risco moderado para alcançar a maior rentabilidade possível no médio e longo prazo.

  • Perfil Arrojado: se você está em busca de maiores rendimentos, esse pode ser o perfil ideal. Neste caso, o investidor está disposto a assumir grandes riscos. Mas não se engane, esse também é um perfil cauteloso. Os riscos são sempre estipulados e o investidor está ciente do que pode ocorrer.

  • Perfil Agressivo: esse é perfil que está mais disposto a correr riscos e não mede esforços para alcançar o maior rendimento possível. Se para o seu capital aumentar for necessário assumir algum risco, esse não será um problema para o perfil agressivo. 

Se você ainda não sabe qual o seu perfil, é hora de descobrir! Baixe o nosso app do Sofisa Direto e, através de um questionário, conheça o seu perfil de investidor.

Veja também:

Como alcançar seus sonhos investindo em fundos de investimento de acordo com o seu perfil de investidor

2. Conheça os investimentos de renda fixa e variável.

Na hora de começar a investir, essa é uma etapa importante que todo investidor precisa passar para aprender a fundo sobre as diferenças e os tipos de investimento de renda fixa e variável. 

Principalmente, se você quer expandir a sua carteira de investimentos, conhecer a fundo as duas categorias, pois isso abrirá um leque de opções de aplicações para você investir.

Investimentos em Renda Fixa

Com certeza você já deve ter ouvido falar a respeito desse termo ou lido sobre ele aqui no nosso blog. Mas para resumir de forma simplificada: a renda fixa é quando você investe já sabendo qual será sua rentabilidade.

Desde o momento que você começar a aplicar o seu dinheiro, já está definindo quando e quanto você terá de retorno. Geralmente quem tem o perfil mais conservador, opta pelo rendimento fixo pela segurança e estabilidade.

A seguir, alguns exemplos de renda fixa:

  • Títulos Públicos;
  • Certificados de Depósito Bancário (CDB);
  • Caderneta de Poupança;
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Debêntures.

Investimentos em Renda Variável 

Já citamos aqui que há certos perfis como o arrojado e agressivo que não se importam em correr risco em nome de rendimentos mais altos, por isso a renda variável é pode ser ideal para esses investidores. Esse tipo de rendimento tem um retorno mais alto, mas seus riscos são maiores do que a renda fixa;

Nesse caso, o rendimento é mais imprevisível. As aplicações desta categoria sofrem com as variáveis do mercado financeiro e podem ser super valorizadas ou desvalorizadas, de acordo com a economia.

Se você está se perguntando como diversificar a carteira de ações, saiba que existem diversas possibilidades para você investir. Alguns exemplos de investimento de renda variável são as ações, os fundos de multimercado, câmbio e derivativos. São aplicações rentáveis, mas é necessário correr certos riscos e estar atento ao mundo dos investimentos.

3. Estipule quanto investir para diversificar

Agora que você já conhece mais detalhadamente sobre o perfil de investidor e os tipos de investimentos, é hora de estipular quando quer destinar a cada tipo de renda.

Se você está se perguntando se é melhor destinar a maior parte para a renda fixa ou variável, somente o seu perfil de investidor vai dizer.

Caso você se identifique com o arrojado, investir grande parte em fundos de ações pode ser  o que mais se adequa ao perfil. Mas se você se descobriu conservador, a maior parte do seu rendimento será atrelado à renda fixa.

Independente de qual seja o seu perfil, o importante é que você esteja disposto a variar. Calcule o quanto destinará a cada aplicação e comece a investir!

Agora que você mergulhou fundo no mundo dos investimentos, é hora de dar o primeiro passo. Mas, para isso, é preciso se organizar financeiramente e otimizar o seu dinheiro para investir. Se você ainda não tem um planejamento mensal dos seus gastos e não conversa com a sua família sobre o controle financeiro, confira o nosso último post sobre Planejamento familiar: o que o descontrole pode causar.

Planejamento familiar:  o que o descontrole pode causar?

Comentários

Assine nossa newsletter