Hoje quero começar esse texto fazendo uma pergunta para você: o que todos nós temos em comum a cada início de mês? Se a sua resposta foi contas a pagar, acertou! Sejam as despesas mensais com aluguel, escola das crianças ou aqueles gastos extras no cartão de crédito, as contas chegam e, no fim, a maioria dos brasileiros já começa o mês no vermelho.

Se você está cansado dessa mesma situação todo mês, saiba que cortar gastos e mudar seus hábitos é essencial para sair do negativo. 

Mas, para começar a sua jornada de organização financeira e aprender algumas dicas de como otimizar o seu dinheiro, primeiro você precisa compreender a fundo a definição de despesas mensais, e as principais diferenças entre os gastos variáveis e fixos. Preparado para começar? Vamos lá! 

Qual a diferença entre despesa fixa e variável?

Você sabe o significado da palavra despesa? Segundo o dicionário, significa gastar o dinheiro com algo específico. Mensalmente, destinamos o nosso salário a diversas necessidades da nossa rotina e, ao decorrer desses 30 dias, acumulamos despesas com o uso de água, energia, transporte e até com aplicativos.

Mas, dentro desses gastos, há duas categorias importantes que você precisa conhecer na hora de fazer o planejamento das suas finanças: as despesas variáveis e as fixas.  

Se você nunca ouviu falar desses termos, não se preocupe que não é nenhum bicho de sete cabeças e aposto que logo você aprenderá a separar seus gastos entre essas duas categorias.

As chamadas despesas fixas são seus gastos mensais que não sofrem alteração no valor. Para que você possa entender melhor, vamos colocar isso em prática, ok?! 

Sabe aquele seu plano de saúde ou aquela assinatura de TV que mensalmente é o mesmo preço? Esses são exemplos de despesas fixas, a cada mês você já sabe o quanto vai pagar sem alteração.

Já as despesas variáveis são aqueles gastos que você sabe que tem, mas o seu valor modifica a cada mês. Sua conta de energia é um exemplo claro disso, você sabe que tem esse gasto mensalmente, mas o valor varia a cada final de mês de acordo com seu consumo.

Quais as principais despesas dos brasileiros?

Os gastos ao decorrer dos 30 dias são muitos. Em uma pesquisa feita em 2020, o IBGE listou os gastos que mais pesam nas contas mensais dos brasileiros. Em primeiro lugar está a despesa com moradia, em segundo o transporte e terceiro a alimentação.

Esse é o top 3 que consome boa parte do salário dos brasileiros que lutam para sobrar aquela quantia no final do mês.

Para quem é pai, a lista de despesas que compõem o orçamento familiar é ainda maior. Já nos primeiros anos de vida, as despesas para ter um filho são altas, desde fralda, leite ou até mesmo uma creche particular, que no estado de São Paulo chega a custar até R$ 800,00.

Mas mesmo que esse não seja o seu caso e você apenas divida a casa com o seu pet, aposto que as contas mensais também são altas e não param de chegar. Os gastos com aluguel, serviços de streaming e diversas outras despesas pesam bastante na hora de pôr na ponta do lápis. 

Além disso, nessa lista não pode faltar as despesas com seu animal de estimação, afinal eles precisam de cuidados. Cá entre nós, os preços de produtos para pets estão cada vez mais elevados, o que consequentemente fez com que no ano passado os brasileiros gastassem cerca de R$200 por mês com seus animais. 

Em resumo, seja qual for seu cenário ou números de integrantes da sua família, não dá para fugir das contas mensais, mas é possível organizá-las e economizar. 

Veja também:

Nova call to action

Saia do vermelho: descubra como controlar seus gastos e otimizar seu dinheiro.

Chegamos no ponto que você estava esperando: o segredo para fazer o seu dinheiro render mais. Se você quer ter um controle maior das suas despesas e mudar a sua vida financeira, anote essas quatro ações que vão te ajudar a poupar o seu dinheiro.

1. Faça uma planilha de despesas mensais!

Já falamos aqui sobre os gastos variáveis e fixos. Se você quer sair do vermelho, é hora de colocar seus conhecimentos em prática e organizar os seus gastos em uma planilha. É muito importante anotar todas as entradas e saídas para, enfim, fazer o controle da sua vida financeira.

Mas anota aí: um bom plano de despesas mensais é rico em detalhes! Na sua planilha precisa conter todas suas despesas fixas e mensais, desde os gastos com aplicativo de comida até a conta da internet, despesas pequenas e grandes.

Ao anotar todos seus gastos, você consegue visualizar para onde vai o seu dinheiro, se vai sobrar, quanto vai. E caso não sobre, é hora de analisar também onde você pode gastar um pouco menos no próximo mês. 

É claro que se você quer otimizar o seu dinheiro, alguns sacrifícios precisam ser feitos e, com sua planilha em mãos, é hora de começar os cortes dos gastos supérfluos. Com certeza você aprenderá a viver sem eles e se sentirá muito melhor ao ver seu saldo positivo no próximo mês.

2. Coloque a mão na massa!


É fácil e prático baixar aplicativos e ter tudo à disposição com um clique. Mas tudo isso também custa caro e no final do mês o prejuízo pode ser grande para o seu bolso. 

Por isso, se você está pensando em economizar, comece colocando a mão na massa. Ao invés de pedir comida, faça um jantar especial. 

Quer redecorar um espaço? Ao invés de comprar tudo novo, personalize o antigo, uma boa tinta pode fazer milagres!

E quando dizemos isso, saiba que se encaixa para tudo, mesmo nas coisas pequenas como costurar uma calça. Você tem um tempo livre e sabe fazer tal coisa? Então, por que delegar a alguém e gastar um dinheiro desnecessário? Faça você mesmo e economize muito.

3. Use os serviços públicos.


Você já fez as contas de quanto gasta com transporte por mês? Com a febre dos aplicativos, os brasileiros se encantaram pelo conforto e preço baixo que as novas plataformas de transporte prometem. Mas o que no início parecem inofensivos R$ 10 em uma corrida, acabam se acumulando no dia a dia e no final do mês comprometem boa parte da sua renda.

Saiba que esses gastos podem ser facilmente cortados se você decidir mudar seus hábitos e aderir aos serviços de transporte público, que são mais baratos. 

Pensando nisso, proponho um desafio: faça as contas de quanto você gastou com aplicativo de transporte no mês anterior e nesse mês ande só de transporte público. No final, calcule quanto você economizou. 

4. Pesquise e compare!


Se você quer começar a organizar melhor as suas finanças, essa dica é fundamental. Pesquisar e comparar é a base para qualquer que seja a sua nova aquisição. Antes de comprar ou fechar um negócio, leia e analise todos os detalhes.

Um exemplo é o plano de saúde da sua família. Esse é um gasto essencial e que não pode ser cortado, mas você pode encontrar um preço melhor e um serviço que atenda a todos. Pesquise opções, faça uma lista de vantagens e compare antes de fechar negócio.

Ah, e aí vai uma dica extra! Se você quer mesmo reorganizar o seu orçamento familiar e sair do vermelho, é preciso que não só você, mas sim todos da sua família comecem a conversar a respeito, desde o seu cônjuge até o seu filho. 

Isso mesmo que você leu, mesmo que seu filho seja pequeno, é hora de inseri-lo dentro da economia do seu lar. A educação financeira deveria ser assunto abordado desde criança para que no futuro sejam adultos responsáveis e organizados financeiramente. 

Se você não havia parado para refletir sobre isso e não sabe como inserir os assuntos com os pequeninos, baixe já o nosso e-book sobre Educação financeira infantil: Guia com dicas importantes.

Educação financeira infantil: guia com dicas importantes

Comentários

Assine nossa newsletter