De acordo com o Estatuto do Idoso, se um indivíduo passa a precisar de auxílio para lidar com as suas necessidades básicas, como cuidar da casa e administrar sua vida, os filhos se tornam responsáveis por ele. E, além dessas atividades, pode ser necessário ajudar os pais financeiramente. Eles cuidaram de você durante diversas fases (infância, adolescência etc.), então nada mais justo que retribuir.

Porém, a questão se torna um pouco mais delicada em determinados contextos. Muitos idosos não tiveram acesso à educação financeira, o que compromete o uso eficiente da aposentadoria. Felizmente, há algumas coisas que os filhos podem fazer para tornar esse momento mais tranquilo.

Acompanhe o post e veja quais atitudes são viáveis nessa situação!

Ajude seus pais financeiramente

Como saber se é necessário ajudar a família? Em geral, a resposta se resume a duas circunstâncias: quando eles precisarem ou quando caírem no negativo. Porém, há muito o que se pode fazer para evitar isso. Vale mais a pena ajudar os pais financeiramente assim que for possível (considerando a sua situação), para que eles não fiquem endividados e sempre tenham o suficiente para viver bem sua aposentadoria.

Esse é o caso de passar instruções sobre planejamento para os idosos. Criar planilhas ou cadernos de despesas, fazer pequenos investimentos, entre outras coisas. Se eles tiverem dificuldade para administrar seus recursos, algumas dicas simples podem evitar muitas dores de cabeça no futuro.

Uma opção interessante é direcioná-los para cursos de educação financeira especialmente voltados para pessoas nessa faixa etária. Nesses ambientes, não faltam indivíduos que precisam aprender a lidar melhor com o dinheiro da aposentadoria e instrução sobre o assunto. Pode ser um investimento muito interessante para que seus pais mantenham a autonomia sobre a própria vida financeira.

Tenha um fundo para emergências

Durante a velhice, despesas médicas tendem a surgir repentinamente, desde remédios até internações. Por isso, vale a pena sempre ter um fundo de emergência para essas situações, tanto da sua parte quanto da dos seus pais. Dessa forma, se um dos dois ficar esgotado, ainda haverá o outro para recorrer em determinadas situações de urgência.

Em geral, é interessante que você pague pelo menos o plano de saúde dos seus pais, o que deve cobrir as despesas mais recorrentes: consultas de rotina, algumas receitas médicas etc.

Em seguida, ajude-os a separar 10% todos os meses para outras circunstâncias. Nunca se sabe quando esse dinheiro será necessário, seja para conservar a casa, manter a renda em caso de perda de emprego ou outra situação. Quando essa reserva atingir algo equivalente a 6 meses de salário, é possível começar a flexibilizar um pouco seu orçamento, pois você e seus pais já estarão seguros se algo acontecer.

Dialogue com sua família

Algo que dificulta a vida de pessoas idosas é o afastamento dos parentes. Filhos devem seguir seus próprios caminhos e construir novos planos, mas o distanciamento pode comprometer muito a vida dos pais, principalmente quando há a necessidade de uma ajuda financeira. Manter um diálogo ativo é muito importante nesses momentos.

Se você ama seus pais e quer vê-los bem durante a velhice, aqui estão algumas atitudes que você pode tomar para não ter problemas.

1. Não aja sem o consentimento deles

Muitas pessoas acreditam que idosos não são mais capazes de tomar suas próprias decisões, devido ao avanço do tempo e aos efeitos da velhice. Porém, isso está longe de ser verdade. É fato que a idade pode comprometer certas funções, como memória e velocidade de raciocínio, mas isso não quer dizer que uma pessoa perde a autonomia.

Em vez de simplesmente administrar as finanças de seus pais durante essa fase, converse com eles. Faça com que continuem pagando as próprias contas em dia, comprando os itens básicos etc. Caso algum deles esteja tomando uma decisão financeira ruim ou recusando ajuda, dê conselhos para que ele entenda melhor a situação.

Não se esqueça da possibilidade de um curso de educação financeira para idosos. Independentemente da idade, nunca é tarde para aprender algo novo.

2. Esteja presente na vida dos seus pais

Esse conselho pode parecer um pouco fora do contexto de auxiliar os pais financeiramente, mas essa simples atitude vai ajudar a economizar muito dinheiro. Certos idosos podem gastar mais do que têm de maneira impulsiva depois que se afastam dos parentes e começam a ganhar a aposentadoria.

Joias, carros, entre outras coisas caras, acabam chamando atenção dessas pessoas. Em muitos casos, esses são presentes para filhos e netos que eles veem com pouca frequência, como um apelo para manter o contato familiar. Porém, isso não deveria ser necessário.

A atitude aqui é simples: visite bastante os seus pais, mesmo sem ocasião especial. Estimule-os a manter outras atividades em suas vidas pessoais, como academia, aulas de artes ou encontros com amigos. Isso custará bem menos.

3. Encontre um equilíbrio para sua vida também

O ditado popular já diz que é mais fácil dar conselho do que seguir um. Esse é o caso de pessoas que ensinam a equilibrar as contas, mas não conseguem sair das próprias dívidas. O mesmo vale para você.

Se está passando por dificuldades financeiras, tente colocar ordem em sua própria vida antes de começar a regular a de seus pais. Pense bem: se você aprender a lidar melhor com suas finanças, economizar e manter um fundo de emergência de forma disciplinada, estará bem mais capacitado para fazer o mesmo por eles.

Faça investimentos seguros

Por fim, mas não menos importante, ter alguma renda estável para suas economias pode ajudar bastante. Uma aplicação de Renda Fixa, como CDB, LCA ou LCI, pode ser uma excelente ideia.

Primeiro, esses investimentos apresentam risco mínimo, evitando que você perca seu dinheiro. E segundo, o rendimento dessas aplicações pode custear parte da ajuda financeira que você direciona aos seus pais. É uma maneira segura de diminuir gastos regulares e continuar amparando a sua família durante a velhice.

Agora que você sabe como auxiliar os pais financeiramente, é hora de ajudá-los a aproveitar melhor a aposentadoria. Quer continuar acompanhando nossos conteúdos? Então siga nossos perfis no Facebook, Twitter, LinkedIn e YouTube e fique por dentro de todas as novidades.

Comentários

Assine nossa newsletter