Fazer uma pós-graduação é passo certeiro para profissionais que querem ampliar seus horizontes e ter ainda mais oportunidades na carreira.

Neste artigo, você conhecerá o caminho das pedras para conseguir realizar o sonho de estudar fora. Planejamento, dedicação e muita organização financeira são alguns dos requisitos.

Entre os pontos que serão abordados no texto, estão o peso de uma pós-graduação fora do país, o melhor momento para fazer o curso no exterior e como se preparar academicamente para o desafio.

Você vai aprender ainda a escolher o curso que impulsionará sua carreira e a pesquisar todas as possibilidades de bolsas e descontos.

Por fim, verá dicas de como estimar o valor necessário para fazer o curso e conhecerá os melhores produtos financeiros a fim de investir seu dinheiro da maneira correta, conseguir realizar seu sonho e se sustentar com tranquilidade enquanto estiver estudando fora.

Veja de que forma se preparar para fazer uma pós-graduação no exterior:

Entenda o peso de uma pós-graduação no exterior

Ter uma pós-graduação no exterior no currículo representa algumas vantagens para o profissional. Ele se diferencia em relação aos concorrentes em um processo seletivo, adquire bagagem cultural e habilidades decisivas no exercício da profissão e pode, até mesmo, dar mais um passo para se tornar elegível a vagas que exigem fluência em determinado idioma estrangeiro.

Estudar fora do país também contribui para ampliar a empregabilidade do profissional e pode ter influência direta em seu aumento salarial. A construção de um networking multicultural é outro ponto que faz com que a opção de estudar fora seja cada vez mais considerada pelos brasileiros — e valorizada pelas empresas!

Entenda o peso que uma pós-graduação no exterior pode ter na sua carreira:

Diferenciação em relação à concorrência

Um dos grandes benefícios de apostar em uma pós-graduação no exterior é se diferenciar em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo. Em um mar de candidatos qualificados para uma vaga, muitas vezes os recrutadores usam um curso no exterior como critério de desempate. Além disso, em determinadas posições, ter experiência acadêmica internacional é considerado pré-requisito pelos gestores.

Maior empregabilidade

É inegável que a empregabilidade de um candidato com pós-graduação no exterior é maior do que a de alguém que não tem esse título no currículo.

Isso acontece porque as empresas procuram, cada vez mais, profissionais com perfil global, em especial para ocupar cargos de liderança. Além disso, ter fluência em idiomas estrangeiros e vivência no exterior é praticamente pré-requisito para quem deseja uma posição em determinadas empresas multinacionais, que precisam de colaboradores com essas qualificações.

Aumento salarial

Investir em uma pós-graduação no exterior também é uma forma de conseguir pleitear salários melhores, seja no emprego atual, seja em futuras oportunidades. Quanto mais qualificado o profissional, mais argumentos ele tem para negociar sua remuneração e benefícios com o empregador.

Expansão do networking

Apostar em uma pós-graduação no exterior é chance de ouro de expandir o networking com profissionais qualificados e das mais diversas nacionalidades. Essa escolha, no futuro, pode render frutos positivos para a sua carreira, como a chance de concorrer a uma posição em outro país por indicação de um ex-colega de turma, por exemplo.

Saiba a hora certa

Um ponto que deve ser considerado na preparação para a pós-graduação no exterior é o timing ao começar a perseguir esse sonho. Existem alguns indícios de que é um bom momento para começar sua pesquisa por cursos fora e dar um gás no planejamento financeiro a fim de tornar seu desejo uma realidade. Veja alguns desses sinais:

Vontade de evoluir no mercado de trabalho

Deve considerar a pós-graduação no exterior uma possibilidade real quem está há muito tempo na mesma empresa e/ou posição, se sente insatisfeito com o cargo atual ou simplesmente viu que chegou a hora de adquirir novos conhecimentos e habilidades para evoluir na carreira;

Necessidade de mais networking ou experiência

Estudar fora é uma alternativa interessante para aqueles que precisam vivenciar uma experiência internacional a fim crescer na empresa e, também, para quem deseja construir um networking qualificado e, no futuro, pleitear uma oportunidade em outro país.

Mudança de área

Profissionais que querem atuar em área diferente da que estão hoje em dia e/ou que não é exatamente alinhada com a graduação que fizeram devem considerar a pós-graduação no exterior. Ela é uma chance de adicionar ao currículo algo que o qualifique para posições em um outro campo, não abordado por sua formação e suas experiências anteriores.

Escolha o curso que impulsionará sua carreira

A escolha da pós-graduação no exterior é um passo muito importante na vida e na carreira de um profissional. Fazer uma pesquisa extensa é indispensável nessa etapa da preparação para estudar em outro país. Confira algumas dicas que o ajudarão na hora de escolher o curso que impulsionará sua carreira:

Defina a escola ideal para você

Harvard, Berkeley, Yale, Oxford… Há uma lista extensa de universidades de prestígio em países como Estados Unidos e Inglaterra. Tanta oferta, no entanto, pode confundir os profissionais, que não sabem muito bem por onde começar a pesquisa pelo curso dos seus sonhos.

Não se apavore. Mais do que o nome da instituição, é essencial buscar a universidade adequada para você, a fim de ter sucesso na escolha da sua pós-graduação do exterior.

Nesse sentido, avalie as ofertas de cursos disponíveis, perfil da escola, o valor da pós-graduação, as bolsas disponíveis etc.

Saiba o tipo de pós que quer fazer

Pós-graduação é um termo amplo. Ao escolher o curso certo para você, é preciso focar e saber, antes de tudo, qual tipo de pós deseja frequentar. Fazer mestrado e doutorado, por exemplo, é diferente de tentar uma vaga em um MBA, que é uma modalidade com viés mais prático e voltada aos profissionais que ocupam ou querem ter um cargo de gestão.

Peça ajuda

A fase de pesquisa é de extrema importância para o sucesso do seu projeto. Por isso, contar com toda a ajuda possível é algo que deve ser considerado.

Depois de explorar o site das universidades que têm cursos do seu interesse, não deixe de mandar e-mail às escolas a fim de obter mais informações. Conversar com ex-alunos também ajuda a entender melhor se a pós em questão é o que você busca e se está alinhada com seus objetivos acadêmicos e de carreira.

Considere a contratação de uma agência

Está sem tempo para fazer essa pesquisa extensa e organizar o contato com as universidades? Uma boa ideia pode ser contratar uma agência de intercâmbio, como a STB, que possa auxiliá-lo no processo de busca de curso. Essas empresas, além de ajudarem na busca, também ficam responsáveis pela interface com as universidades.

Nesse modelo, o futuro pós-graduando preenche um cadastro com seu perfil acadêmico e financeiro. A agência, então, faz uma pesquisa com as universidades parceiras e sugere para o estudante aquelas que estão alinhadas com seus objetivos. O trabalho de busca e assessoria tem um custo, que deve ser considerado no seu planejamento financeiro.

Prepare-se academicamente para o desafio

Depois ter pelo menos uma ideia do curso de pós-graduação que quer fazer no exterior, é importante preparar-se academicamente para o desafio.

Tenha em mente que o ideal é começar o processo com pelo menos um ano de antecedência. São vários os passos necessários, então as chances de ser bem-sucedido são muito maiores para aqueles que têm o tempo a seu favor e fazem um planejamento completo.

As exigências para o estudante variam de acordo com a escola. Mas, de forma geral, é preciso levar em conta os seguintes pontos:

Proficiência no idioma

A maior parte das universidades estrangeiras exige exames de proficiência no idioma em que as aulas serão ministradas. A prova pedida e a nota mínima para ser aceito variam de acordo com a universidade, mas os exames mais comuns são o TOEFL (universidades nos Estados Unidos), IELTS (escolas no Reino Unido) e o Cambridge.

Além do exame de proficiência no idioma, algumas instituições americanas exigem que o futuro estudante comprove conhecimentos específicos. Entre os exames que podem ser cobrados, estão o GMAT — Graduate Management Admission Test, voltado a alunos da área de negócios — e o GRE, que é um teste de aptidão para cursos que não sejam de MBA. Tanto o GMAT quanto o GRE têm validade de cinco anos.

Cartas de recomendação

A maioria das escolas pede que o futuro estudante envie junto com a documentação algumas cartas de recomendação profissionais e acadêmicas.

O ideal é recorrer a professores e empregadores que conheçam bem sua trajetória e possam fornecer exemplos concretos da sua excelência acadêmica e conquistas profissionais ao longo dos anos. É importante que eles ressaltem também suas habilidades e mostrem à universidade que você seria uma aquisição valiosa para seu corpo discente.

Caso tenha publicações acadêmicas relevantes, não deixe de enviá-las também.

Texto pessoal

Dependendo do curso e da universidade escolhida, será preciso mandar um texto pessoal (também chamado de essay ou redação), falando sobre as suas motivações e por que deveria fazer a pós.

Uma dica é pedir que ex-alunos da pós-graduação escolhida leiam seu texto e deem ideias para melhorá-lo.

Descrição do projeto de pesquisa

Uma descrição do projeto de pesquisa é exigida nos cursos de mestrado de algumas universidades. Nesses casos, é preciso enviar seu projeto ao departamento responsável e encontrar algum professor que aceite ser seu orientador.

Você deve vê-lo como seu mentor e sempre pedir sugestões a ele. Essa é uma forma de mostrar que tem interesse no departamento. Além disso, citar alguns trabalhos anteriores do possível orientador ajuda a criar um laço.

Documentação geral

Além dos documentos que comprovam proficiência e conhecimentos específicos, vários outros são pedidos nos processos seletivos. Entre eles, estão: atestado de conclusão de curso ou diploma, histórico acadêmico e certificados escolares (como monitorias prestadas e iniciação científica).

Dependendo da universidade, pode ser exigido que os documentos assinados (a exemplo do diploma) sejam reconhecidos por um cartório. Algumas instituições pedem ainda que os documentos acadêmicos sejam validados pelo Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

A documentação para concorrer a um curso de pós-graduação no exterior deve ser redigida por tradutor juramentado na língua do país da escola em que quer estudar.

Verifique o valor necessário para o curso

O planejamento financeiro é uma parte importante do processo de preparação para uma pós-graduação no exterior, uma vez que os custos são altos. Por exemplo: quem pretende tentar em média cinco universidades nos Estados Unidos pode gastar até R$ 3 mil só ao se candidatar.

Por isso, para conseguir concorrer a todas as universidades que deseja sem ter dor de cabeça com os gastos, é importante criar uma reserva financeira.

O valor necessário para o curso deve ser verificado antes mesmo da candidatura. É preciso ter em mente que destinos como Estados Unidos e Inglaterra, por exemplo, são mais caros do que países como Canadá e Austrália.

Um MBA em uma instituição americana sem descontos nem bolsa de estudos pode custar até R$ 60 mil por ano (ou mais, dependendo da universidade). Com alimentação, moradia e outros gastos, é possível que as despesas anuais nos Estados Unidos cheguem a R$ 13 mil.

Quem opta por fazer uma pós-graduação no Canadá consegue estudar em uma escola reconhecida, mas com menos gastos. Os cursos custam, em média, R$ 20 mil ao ano. Já alimentação, hospedagem e afins, somados, ficam em torno de R$ 15 mil anuais.

Quase todas as universidades exigem que os alunos paguem a anuidade ou o semestre da pós-graduação antes mesmo da viagem. Nesse sentido, o planejamento financeiro para esse sonho deve começar junto com a preparação acadêmica. Ou seja, pelo menos um ano antes do início do curso.

Confira todas as possibilidades de bolsa e desconto

Fazer uma pós-graduação no exterior é uma oportunidade excelente de valorizar o currículo e ter uma experiência incrível de vida. No entanto, é um sonho que sai caro. Por isso, antes de embarcar nessa aventura, não deixe de conferir todas as possibilidades possíveis de bolsas de estudo e/ou descontos no valor da anuidade.

Há diversas modalidades de bolsas, integrais e parciais, destinadas aos mais diferentes perfis de estudantes. Consulte órgãos oficiais, como o British Council e EducationUSA, além dos consulados.

Você pode recorrer ainda a instituições ou empresas que ajudam futuros alunos a procurarem bolsas e oportunidades alinhadas ao seu perfil, como a Fundação Estudar e a Fulbright.

Outra dica é analisar as opções de bolsas oferecidas pelas universidades nas quais tem interesse. Diversas escolas disponibilizam programas de auxílio financeiro aos estudantes estrangeiros.

Dependendo da bolsa, o aluno não precisa pagar passagem, hospedagem, alimentação e material didático. No entanto, é mais comum que esse tipo de oportunidade seja reservado para estudantes de baixa renda, e que apresentem rendimento acadêmico excepcional.

Mesmo quem não consegue uma bolsa pode pleitear descontos junto à universidade pagando à vista, por exemplo. Considere ainda a possibilidade de trabalhar no próprio campus, a fim de obter mais recursos a fim de arcar com as despesas que terá durante o curso.

Saiba onde investir seu dinheiro corretamente

Outro passo importante na preparação para a pós-graduação no exterior é buscar formas de investimento seguras, que o ajudarão a conseguir dinheiro suficiente para realizar seu sonho e ainda continuar rendendo enquanto você estiver fora do Brasil.

Nesse sentido, a melhor escolha é optar por produtos de Renda Fixa, que oferecem segurança e um rendimento melhor do que a boa e velha Poupança. Modalidades como o Certificado de Depósito Bancário (CDB), a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) e a Letra de Crédito Imobiliário (LCI) foram feitos sob medida para suas necessidades.

Conheça as características de tais investimentos:

CDB

Considerada uma das modalidades mais seguras de Renda Fixa, o Certificado de Depósito Bancário tem funcionamento bem simples. O investidor aplica uma quantia com um banco ou corretora por determinado prazo. Após este período, a instituição financeira devolve o valor acrescido de uma taxa de juros, que pode ser prefixada ou pós-fixada.

Investir com pouco dinheiro é possível com o CDB. Entre as vantagens de optar por esse tipo de investimento, está sua rentabilidade. Em geral, ela supera a inflação e é maior do que a oferecida pela Poupança. A taxa varia entre os bancos. Por isso, pesquisar é essencial!

A liquidez é outro ponto a favor do CDB. Dependendo do título escolhido, é possível resgatar o dinheiro quando quiser, após o vencimento. Essa característica é interessante para quem está fora do país. Afinal, não se sabe quando surgirá um imprevisto.

Caso o título escolhido seja pós-fixado, você pode se beneficiar do aumento de juros e conquistar rentabilidade maior em relação a um prefixado. Sempre analise o cenário econômico antes de escolher!

LCI

Outra modalidade de Renda Fixa indicada para quem não quer colocar em risco a segurança, as Letras de Crédito Imobiliário têm taxas de juros bastante competitivas em relação a outros tipos de investimento, por ser subsidiada pelo governo e ter imóveis como garantia. O rendimento é outro ponto a favor desse tipo de investimento.

Assim como os CDBs, as LCIs podem ser prefixadas e pós-fixadas. O valor mínimo para investir, no entanto, costuma ser mais alto do que na primeira opção (variando de acordo com o banco).

A liquidez é um ponto que requer atenção antes de optar por esse investimento. Geralmente, é necessário esperar pelo menos três meses para retirar a quantia da aplicação. Mas isso não será problema caso você não pretenda usar o dinheiro antes de voltar ao Brasil ou tenha uma reserva de emergência em outro investimento.

LCA

O funcionamento das Letras de Crédito do Agronegócio é similar ao das LCIs. A diferença é que a primeira opção opera como financiamento para que produtores agrícolas exerçam sua atividade. Se as LCIs têm os imóveis como garantia, as LCAs têm o agronegócio.

Investimento mínimo e liquidez também são bastante similares às LCIs. O dinheiro só pode ser retirado a partir de três meses, podendo variar de acordo com a instituição financeira.

Essas três opções de Renda Fixa têm em comum a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). O órgão devolve para o investidor até R$ 250 mil por CPF caso o banco em que o dinheiro está aplicado vá à falência, da mesma forma que acontece com a Poupança.

Apostar na Renda Fixa é a melhor opção para quem quer investir corretamente seu dinheiro e realizar o sonho de fazer uma pós-graduação no exterior. Entre as vantagens, estão a possibilidade de diversificar a carteira de investimentos com CDBs e LCIs, por exemplo, reduzindo os riscos.

A conjugação de segurança com rentabilidade é outro fator a ser considerado. Você faz o dinheiro trabalhar a seu favor, correndo muito menos risco do que correria em um mercado de ações, por exemplo.

Fazer pós-graduação no exterior é um passo importante para profissionais que querem valorizar seu currículo e ter acesso a oportunidades profissionais ainda mais promissoras. Como todo grande sonho, ele exige muito planejamento, organização e dedicação para ser realizado.

Nesse sentido, comece essa preparação com pelo menos um ano de antecedência. Assim é possível executar todos os passos necessários com calma e atenção. A escolha do curso deve ser feita com cuidado e após muita pesquisa, sempre considerando seus objetivos profissionais e, é claro, o valor da pós-graduação desejada.

Além de usar a internet como aliada, não hesite em contactar as instituições de ensino para ter mais informações sobre os cursos e conversar também com ex-alunos e profissionais.

O planejamento financeiro é outro aspecto importante da preparação. Estudar fora do país não é um sonho barato. Para poder ser se dedicar ao curso sem preocupações financeiras, tenha em mente que é essencial construir uma reserva.

Escolha os investimentos corretos a fim de fazer seu dinheiro trabalhar por você e, ainda, conseguir viver confortavelmente ao retornar das terras estrangeiras.

Para tornar realidade sua pós-graduação no exterior, não basta querer: é preciso traçar um plano e partir para a ação! Saber que pode alcançar os objetivos que quiser faz toda a diferença. Sua vida e sua carreira vão agradecer!

Gostou deste conteúdo? Acha que ele pode ser útil para mais alguém? Então não deixe de compartilhar o post nas suas redes sociais!

Comentários

Assine nossa newsletter