Os pequenos gastos do dia a dia, mesmo que pareçam insignificantes em um primeiro momento, podem causar um impacto considerável em suas finanças. Uma boa parte de seu dinheiro pode estar indo para o ralo sem você nem perceber.

Quer ver como isso acontece? Acompanhe nosso artigo, pois vamos mostrar aqui a importância de não menosprezar o efeito das despesas menores no orçamento doméstico. Afinal de contas, basta uma pequena rachadura para afundar um grande navio!

Vamos imaginar uma situação fictícia?

Você sai de casa atrasado para trabalhar. Quer chegar mais rápido, então vai de táxi. Antes de entrar na empresa, vê uma manchete impactante na banca de revistas. Decide comprar o jornal e uma revista para ler depois.

No meio da manhã, você convida um colega para um cafezinho no bar da esquina. Como saiu atrasado de casa e não tomou café da manhã, pede também um pão de queijo. A despesa é pequena, então você, gentilmente, paga a sua e a do colega também.

Na hora do almoço, vai ao restaurante self-service próximo ao trabalho e enche o prato de carboidratos e vários tipos de carnes. Para acompanhar a refeição, toma um refrigerante.

No final do expediente, alguém sugere um chope para relaxar. Em vez de um só, você bebe dois, já que não está dirigindo. Aproveita e pede também uma porção de carne de sol com mandioca como tira-gosto.

Antes de voltar para casa de táxi, você compra pães e quitutes para tomar café da manhã no dia seguinte. Chegando em casa, pega a correspondência na caixa de correio e encontra o boleto da academia de ginástica. Você optou por um plano de 6 meses, pois sairia mais barato. Só que não tem tempo de se exercitar, pois trabalha demais.

Mais tarde, você se lembra que hoje era dia de pagar a conta de luz e o condomínio, então terá que pagar com multa amanhã. De qualquer jeito, agora o melhor é relaxar e ver as notícias na TV. As mesmas notícias que estão naquele jornal ou revista que comprou de manhã e que não teve tempo de ler.

Qual será o custo anual desses pequenos gastos?

Vamos ver quanto você gastou em um dia e nem prestou atenção. Como o custo de vida varia de acordo com a cidade, vamos considerar um preço estimado para cada gasto:

Ida ao trabalho de táxi R$ 40
Jornal e revista R$ 10
2 cafés e 2 pães de queijo R$ 12
Almoço + refrigerante R$ 20
2 chopes + porção R$ 50
Lanchinhos da padaria R$ 15
Volta para casa de táxi R$ 30

Todos esses pequenos gastos diários somam um total de R$ 177.

Obviamente, esse pode ser um dia atípico. Acreditamos que as situações mencionadas acima não serão uma rotina diária. Mesmo assim, se isso acontecer uma vez por semana, já serão R$ 708 por mês em gastos que você mal vai perceber.

Ainda temos que somar a mensalidade da academia que não frequenta e as multas das contas que não pagou pontualmente. Acrescente cerca de R$ 300 e você já ultrapassou o valor do salário mínimo nacional de 2017, pois serão R$ R$ 1.008.

Sem perceber, você está deixando mais de um salário mínimo escapar pelo ralo todo mês. Em um ano, seriam R$ 12.096, dinheiro que poderia estar investido e gerando rendimentos.

Preocupante, não é mesmo? Então, comece a agir a partir de agora. Continue lendo e veja o que é possível fazer para estabilizar a situação.

Como lidar com os vazamentos no orçamento?

Consumo consciente e mudanças de hábito são capazes de salvar as suas finanças. Vamos analisar o que você poderia fazer de diferente na rotina que descrevemos no exemplo lá em cima.

1. Levantar mais cedo e ir a pé ou de bicicleta ao trabalho. Além de economizar no transporte, você contribui para diminuir a poluição, faz exercícios físicos e pode parar de pagar a academia que não tem tempo de frequentar.

2. Parar de comprar jornais e revistas que nunca serão lidos, ou que repetem as mesmas notícias que podem ser vistas na internet ou na TV.

3. Levar lanche e almoço prontos de casa. É mais saudável e econômico, então você estará cuidando do bolso e da saúde. Não há problema em convidar o colega para um cafezinho de vez em quando, mas é bom que cada um pague o seu.

4. Programar débito automático para o pagamento das contas, a fim de evitar as multas e juros de mora por atrasos. Uma ótima ideia é configurar lembretes no computador e no celular para pagamentos que não possam ser efetuados por débito automático.

5. Analisar criteriosamente sua rotina para identificar outros pequenos gastos que passam despercebidos.

Como facilitar o controle das despesas?

Será difícil manter o orçamento equilibrado sem uma visão clara de suas despesas, por menores que elas sejam. O modo mais fácil de visualizá-las é por meio de planilhas ou de aplicativos financeiros.

Na internet há vários modelos de planilhas, desde as mais simples feitas no Excel até as avançadas. Existem apps que permitem conectar a planilha de controle financeiro às suas contas bancárias para sincronização automática de dados.

As planilhas do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC), da BM&FBovespa ou do Guia Bolso são boas sugestões. No site da revista Exame, há outras sugestões de aplicativos para controle financeiro, como o Organizze, o Wally+ e o Finance.

Depois de escolher um deles, lembre-se: todas as despesas precisam ser registradas, principalmente os pequenos gastos que costumam passar despercebidos.

Em nome de sua estabilidade financeira, é preciso prestar atenção às pequenas despesas do dia a dia que, somadas, podem impactar o equilíbrio das contas. Planilhas e aplicativos são ferramentas bastante úteis para facilitar a tarefa de manter o orçamento sob controle. Escolha um modelo e registre tudo, inclusive os pequenos gastos diários.

Gostou do artigo? Então, você vai gostar também de saber como fazer um planejamento financeiro de longo prazo. Aproveite e coloque todas as dicas em prática!

Comentários

Assine nossa newsletter