Um dos investimentos em Renda Fixa mais indicados é o Certificado de Depósito Bancário (CDB). Com seu baixo risco e boa rentabilidade, os investidores conseguem ter um retorno significativo em qualquer uma de suas modalidades. Mesmo assim, muita gente se pergunta qual é a diferença entre as possibilidades: CDB liquidez diária ou no vencimento?

A resposta depende do que você deseja. A verdade é que cada um desses formatos se adapta a demandas divergentes. Por isso, antes de definir o que é adequado para o seu perfil, é preciso pensar bem e ter certeza do que quer.

Para tornar esse processo mais fácil, este post vai explicar o que significa a liquidez diária de alguns ativos do Certificado de Depósito Bancário, bem como o conceito relativo ao prazo de vencimento. Os assuntos que serão tratados são:

  • o processo de investimento do CDB;
  • o significado de liquidez em uma aplicação;
  • as vantagens de optar pela liquidez diária;
  • os benefícios da liquidez no vencimento;
  • os reflexos na rentabilidade em curto e longo prazos;
  • o perfil do investidor para o qual cada um é mais adequado;
  • as questões que devem ser consideradas na escolha.

Então, para começar, vamos entender como o CDB funciona. Acompanhe:

O processo de investimento do CDB

Os Certificados de Depósitos Bancários são títulos emitidos pelas instituições financeiras para custear as atividades de crédito. Qualquer pessoa física ou jurídica pode adquirir esses ativos e, em troca, receberá o valor aplicado acrescido de juros.

Na prática, é como se você estivesse emprestando dinheiro ao banco. Os perigos dessa operação são bastante baixos. Um dos motivos é que a instituição financeira corre pouco risco de quebrar. Afinal de contas, se isso acontecer, há um processo jurídico de recuperação que pode ser acompanhado pelas notícias.

Outra justificativa dos poucos riscos do CDB é o fato de que qualquer modalidade desse tipo de aplicação é assegurada pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), uma entidade privada que protege investidores em até R$ 250 mil por CPF e por banco.

Tipos de CDB

Essa espécie de investimento possui dois formatos: pré e pós-fixado. No primeiro caso, você sabe quanto vai receber no vencimento do título. Por exemplo: foram aplicados R$ 8 mil por um ano com uma taxa de 10% ao ano. No final dos 12 meses, o investidor receberá R$ 8,8 mil, sendo que R$ 800 são os juros da operação.

No CDB pós-fixado, por sua vez, você conhece o indexador ao qual a aplicação está atrelada, mas não sabe quanto receberá efetivamente ao final do investimento. Isso porque depende da flutuação do índice, que em geral é uma das três opções abaixo: 

  • Certificado de Depósito Interbancário (CDI): realiza o lastro das operações entre os bancos e é a média dessas transações;
  • Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA): é o indicador de inflação oficial do país. Sua determinação ocorre pela mensuração mensal do IBGE, que avalia a variação de preços no atacado e varejo.

Características do CDB

A principal peculiaridade desse investimento é o fato de que seu rendimento é muito maior do que a Poupança, apesar de o risco ser similar.

O CDB em si não envolve custos. No entanto, é importante destacar que ele sofre incidência de Imposto de Renda. O percentual aplicado depende do tempo de aplicação do dinheiro.

Ainda pode ser cobrado o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), mas apenas nos casos em que o recurso fica investido por menos de 30 dias. A taxa incidente varia de 96% para aplicações de um dia a 3% para 29 dias.

Apesar dessa tributação, o CDB apresenta rentabilidade melhor do que a Poupança. Há casos, inclusive, em que o retorno chega a 100% do CDI ou mais. Isso significa que, no vencimento, é verificada a taxa do CDI e, no caso de ser 100%, é recebido todo o retorno. 

A liquidez é outra particularidade do CDB. Mas primeiro é preciso entender seu conceito para, então, verificar como ela funciona de fato.

Processo de investimento no CDB

O dinheiro pode ser aplicado no CDB de acordo com o passo a passo abaixo:

1. Analise seus investimentos

As aplicações que você já possui devem ser avaliadas a fim de verificar a rentabilidade delas. Isso vale igualmente para a Poupança. Lembre-se de pensar também no seu objetivo. Por exemplo: “desejo aplicar meu dinheiro por até três anos para comprar meu imóvel à vista”. 

2. Abra a sua conta em uma instituição financeira

O investidor precisa ter uma conta em um banco ou corretora para aplicar seu dinheiro. O processo pode ser feito online por meio da aprovação do cadastro. Assim que tudo for finalizado, basta começar a investir.

3. Verifique o CDB mais adequado

Os títulos têm rentabilidade variada de acordo com a instituição financeira e o montante aplicado. Portanto, vale a pena verificar esse ponto a fim de escolher a melhor opção. Avalie também a credibilidade e o porte do banco, porque isso pode trazer segurança à transação.

Vantagens do CDB

A compra de títulos de instituições financeiras é um recurso interessante para qualquer investidor. As vantagens do CDB são bastante variadas, sendo as principais:

  • risco reduzido;
  • liquidez alta, média ou baixa, conforme a necessidade do investidor;
  • segurança;
  • rentabilidade mais elevada que outros investimentos tradicionais, como a Poupança;
  • isenção de custos;
  • grande oferta de títulos.

O significado de liquidez em uma aplicação

Esse conceito é bastante simples. Liquidez significa a capacidade de um ativo se transformar em dinheiro. No caso dos investimentos, é a possibilidade de você resgatar o recurso sem ter dificuldades.

Assim, quanto mais fácil é fazer o saque, mais alta é a liquidez. Por isso, quem quer deixar o dinheiro investido por pouco tempo — ou não sabe se precisará resgatá-lo em um período curto — deve apostar nessas aplicações. No entanto, o inverso também é válido. 

Os investidores costumam observar e dar importância para a liquidez. Afinal de contas, em casos de imprevisto, crise econômica ou outras situações complicadas, ela pode se tornar uma facilidade.

É o caso da liquidez diária. Um ativo que possua essa característica permite que o investidor faça o saque do montante diariamente e receba os juros proporcionais da operação.

Já a liquidez no vencimento indica que o título só trará o retorno esperado se o dinheiro ficar aplicado até o final do período. 

Por exemplo: o prazo de expiração é 2023. Isso significa que você precisará esperar até 2023 para receber a quantia alocada acrescida de juros. 

Por isso, a liquidez diária é uma boa alternativa, mas há circunstâncias em que não vale a pena optar por ela, como veremos mais para frente neste post. Por enquanto, é preciso saber que esse conceito nem sempre está relacionado ao potencial de rentabilidade da aplicação.

O que ocorre geralmente é que os investimentos que possuem menos liquidez têm maior potencial de retorno. Por isso, você abre mão da chance de resgatar antes do vencimento a fim de ganhar mais. Ou é possível optar pelo saque a qualquer momento, mas assumindo que o lucro será menor.

Nesse momento você deve estar se perguntando: com todas essas variáveis, como escolher o que é melhor? Há diversos fatores que devem ser levados em consideração. É por isso que vamos apresentar em seguida as vantagens de cada alternativa.

As vantagens de optar pela liquidez diária

Essa é a melhor opção para quem não sabe se vai precisar do dinheiro em um curto espaço de tempo. Mesmo com a liquidez diária, que tende a proporcionar menos resultados, o CDB é uma aplicação que oferece uma rentabilidade significativa.

Vale a pena mencionar que o investimento com liquidez diária também tem uma data de vencimento. A diferença é que você pode sacar o dinheiro quando quiser e terá o retorno proporcional.

Essa alternativa também é interessante para pessoas que desejam obter certa rentabilidade com o dinheiro que fica parado na conta-corrente. Assim, em vez de deixar o montante sem obter rendimento, é possível aplicar em um CDB com liquidez diária. 

O foco desse tipo de investimento, portanto, é o curto prazo. O que você deve estar pensando é: em vez de optar pelo CDB com liquidez diária, não seria melhor escolher a Poupança, que não sofre incidência de Imposto de Renda e de IOF?

A resposta é não. A Poupança oferece rentabilidade mensal, na data do aniversário da aplicação. Já o CDB tem rendimentos diários. Ou seja, se você aplicar R$ 100 na primeira modalidade e sacar depois de 20 dias, não terá retorno algum. Na segunda opção, receberá um valor proporcional.

O cuidado que se deve ter é que, por conta da incidência de encargos, o CDB pode trazer um retorno menor na prática. Mesmo assim, é uma alternativa excelente para o dia a dia e projetos de curto prazo.

Os benefícios da liquidez no vencimento

A principal vantagem dessa modalidade é que o rendimento costuma ser mais alto do que a liquidez diária. Além disso, a carga tributária é menor, já que não há cobrança de IOF e a alíquota do IR diminui de acordo com a tabela que apresentamos anteriormente.

Na prática, você pode ganhar ainda mais. É por isso que, nesse caso, o CDB deixa de ser comparado à Poupança para ser analisado como uma Letra de Crédito Imobiliário (LCI) ou títulos públicos.

Essa modalidade é recomendada para quem tem a certeza de que pode deixar o dinheiro investido por um longo período de tempo. Por isso, na hora de escolher a aplicação, é preciso considerar a data de vencimento, que será crucial para definir quando o dinheiro vai voltar ao seu bolso.

Outra questão relevante da liquidez no vencimento é sua recomendação de ser adotada quando a tendência é o aumento das taxas de juros no longo prazo. Por isso, vale a pena ficar atento às notícias do mercado financeiro para tomar essa decisão. Porém, de modo geral, essa opção compensa mais pelo potencial de rentabilidade.

Os reflexos na rentabilidade em curto e longo prazos

A liquidez precisa ser equilibrada com a rentabilidade e o risco para que você tenha um bom retorno em curto ou longo prazo. A regra diz que quanto mais arriscada for uma aplicação, maior será a rentabilidade em médio e longo prazos.

Simultaneamente, quanto menor for a liquidez (ou quanto mais tempo o recurso ficar aplicado), maior é o potencial de retorno. O inverso também ocorre. É importante mencionar que essa regra é válida tanto para rentabilidade pré quanto pós-fixada.

Porém, os CDBs prefixados ou aqueles cuja rentabilidade está atrelada à inflação exigem um período de investimento mínimo a fim de que o valor prometido seja pago.

Mesmo assim, a liquidez é diária e a remuneração será muito maior, caso o valor seja mantido aplicado por um longo período de tempo. O que você deve estar pensando é: como esse fator efetivamente interfere na rentabilidade?

É o que indicamos ao longo deste post. O prazo maior beneficia quem deseja ter um retorno significativo. Além disso, há redução da alíquota de IR, algo bastante positivo para ter um retorno ainda mais interessante.

Portanto, se você deseja aplicar por um curto período de tempo ou talvez precise do dinheiro rapidamente, opte pela liquidez diária, lembrando que ela oferecerá uma rentabilidade menor. Já se conseguir deixar o dinheiro parado, prefira o título que só pode ter o valor resgatado no vencimento. Com certeza vai compensar.

O perfil do investidor para o qual cada um é mais adequado

O CDB é uma aplicação de Renda Fixa e, por isso, é indicado aos investidores conservadores — ou seja, aqueles que não querem correr muitos riscos e optam por uma rentabilidade menor a fim de manter a segurança.

Esse tipo de aplicação também é recomendado a quem precisa diversificar sua carteira. Por exemplo: você já aplica seu dinheiro no mercado de ações, em fundos imobiliários, Tesouro Direto etc. E, então, aposta no CDB para ter uma segurança e um potencial de investimento maiores.

Fora essa questão, é preciso analisar outros pontos relevantes do seu perfil. O CDB atrelado ao CDI, por exemplo, é uma boa opção de investimento pós-fixado para quem não sabe qual é a tendência da taxa de juros no futuro.

Por outro lado, se você prefere evitar a flutuação dos juros, a alternativa mais interessante é o CDB prefixado. Ele permite conhecer a rentabilidade já no momento da aplicação e, por isso, traz segurança ao investidor.

Conheça a seguir o público-alvo do CDB pré e pós-fixado a fim de entender qual é a melhor opção para o seu perfil:

Prefixado

A liquidez deve ser no vencimento para que você tenha o maior rendimento possível. Esse CDB é mais recomendado aos perfis conservadores, que pretendem saber quanto vão ganhar na hora do resgate.

O investidor está totalmente protegido de flutuações do mercado financeiro e se mantém seguro quanto à remuneração que obterá.

Pós-fixado

Essa opção pode ser adotada tanto para a liquidez diária quanto para aquela que prevê o resgate no vencimento. A verdade é que manter até o final do prazo assegura um rendimento maior.

O público-alvo desse CDB é aquele investidor que não tem medo do risco e prefere ousar a fim de tentar ganhar mais. É possível acompanhar a rentabilidade diariamente.

A melhor forma de decidir a alternativa mais viável ao seu contexto é analisar o seu próprio perfil e considerar seus objetivos. É a partir disso que você será capaz de determinar seu planejamento financeiro.

Outro ponto ao qual se deve atentar é o prazo de carência. Ele define a data a partir da qual é possível sacar o dinheiro aplicado. Por isso, ela é até mais importante que o vencimento — porque um investimento pode ter liquidez diária, mas resgate a partir de 90 dias, por exemplo.

Ou seja, a liquidez e o prazo de carência determinam, em conjunto, se você poderá resgatar o valor antes do prazo.

As questões que devem ser consideradas na escolha

Neste post, você já entendeu como o CDB funciona e quais são as características da liquidez diária e no vencimento. Agora, que tal entender melhor o que é preciso considerar na sua escolha? Confira alguns pontos importantes:

Reserva de emergência

Os economistas indicam que você deve ter um valor guardado para imprevistos. Essa quantia precisa ser equivalente ao acúmulo de sua renda mensal por três a seis meses, no mínimo. O ideal é que cubra um ano.

Então, se você ganha R$ 5 mil por mês, precisa ter guardado pelo menos R$ 15 mil, mas o melhor é ter R$ 60 mil. Esse montante pode ser aplicado na Poupança, mas é interessante deixar em outra aplicação mais rentável, como o CDB com liquidez diária.

Assim, sempre que necessário, você saca o dinheiro e tem o valor disponível na conta-corrente no mesmo dia ou no próximo dia útil.

Rentabilidade

Os títulos do CDB possuem diferentes rentabilidades e essa remuneração também varia conforme a instituição financeira que emitiu o título. Portanto, esse é um aspecto que precisa ser levado em consideração na sua análise.

Prazo de carência

Esse ponto deve ser analisado, especialmente se você necessitar de saque em um período curto de tempo. Afinal de contas, a liquidez pode ser diária, mas o prazo de carência pode ser maior. Assim, imprevistos são evitados durante o processo.

Risco

Esse item muda de acordo com o potencial de rentabilidade e é preciso analisar se o risco compensa o rendimento esperado. No Brasil, a tendência é que as taxas de juros de longo prazo sejam menores do que as de curto prazo, invertendo a ordem natural.

Isso ocorre porque se espera que a Selic seja reduzida pelo recuo da inflação. Isso significa que você pode ganhar mais no curto prazo. No entanto, não é uma certeza.

Mercado secundário

As operações de compra e venda de títulos diretamente com a instituição financeira que os emite ocorre no chamado mercado primário. No entanto, existe ainda o secundário. Nesse caso, você compra o papel de outro investidor ou vende para ele.

Essa é uma transação totalmente legal e que possibilita ter mais liquidez, já que não é preciso esperar pelo vencimento para revender à instituição financeira. Portanto, é uma medida indicada a quem opta pelo CDB com resgate apenas no período de expiração.

Como podemos perceber, a liquidez de um investimento é tão importante quanto sua rentabilidade. Esse item requer ainda mais atenção quando você precisa sacar o dinheiro em curto prazo ou nos casos em que não sabe quando precisará daquele valor.

Além disso, apostar no CDB é uma boa ideia. Por ser uma aplicação de Renda Fixa, os riscos são muito baixos e o rendimento é bastante positivo, sendo comparável em benefícios a outros investimentos dessa categoria — como as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA).

Agora só falta você definir o que é melhor no seu contexto atual: CDB liquidez diária ou no vencimento? Considere todos os aspectos que trouxemos neste post, faça uma avaliação detalhada da sua situação financeira e invista. Esse é o caminho para remunerações cada vez maiores, que levarão ao sucesso.

Gostou deste conteúdo? Se achou que ele foi útil, aproveite e compartilhe o post nas suas redes sociais!